“Oi eu sou o Chacal, também conhecido como Thiago. Fiz publicidade na USP até 2016 e agora sou apenas um profissional de planejamento na agência Africa. Eu jogo/jogava vôlei desde 2008, então são quase dez anos jogando vôlei amador.”

Chacal, qual a sua relação com tênis no geral?

Sempre gostei muito de tênis mas eu nunca tive muito dinheiro para gastar com eles. Quando tinha uns 12 ou 13 anos eu considerei, nessa época que a gente considera coisas na vida, em ser designer de tênis. Na época eu não sabia o que era essa profissão mas eu desenhava eles e achava legal. Isso aí acabou ficando para trás e virei publicitário. Aprecio principalmente os de marca, mas eu não tenho dinheiro para comprar todos os que eu quero, mas espero que em breve eu possa – a gente trabalha pra isso.

Acho que como eu compro poucos pares, pra mim é uma decisão de compra que eu me envolvo muito. Se eu quero comprar um tênis para corrida eu vou estudar muito todos os modelos, todos os tipos de amortecimento, o que é melhor para o meu pé, o que é ruim para o meu pé e aí compro e amo aquele tênis até não aguentar mais. Depois eu vou comprar outro tênis e fazer o mesmo processo tudo de novo.

Para comprar esse tênis de vôlei aqui eu fiquei muito tempo ponderando coisas. Tipo qual era o melhor amortecimento, qual era o melhor preço, e acabei decidindo por preço porque os melhores que eram os Olympikus, eram muito mais caros. Comprei um Asics que cumpria a função e é um tênis de vôlei, até porque no esporte [vôlei] a gente tem esse problema pois tem poucos tênis pra gente – tem muito tênis de handebol, basquete, e para o vôlei acaba virando o tênis que é pra handebol, o que eu acho muito esquisito. Então é bom quando uma marca faz um tênis específico para vôlei, que é basicamente a Asics e Olympikus, mas agora a Mizuno e Adidas estão fazendo também.

Qual é a diferença que um tênis para vôlei precisa ter de diferente desses de handebol ou tênis?

O tênis de vôlei tem que ter uma sustentação muito boa na parte da frente porque os pulos são muito verticais e você sempre aterrissa na parte da frente. É muito difícil você aterrissar no calcanhar quando você joga vôlei, as aterrissagens no calcanhar são só na passada quando você está correndo para pular. Então é importante ter um amortecimento frontal, que inclusive nesse tênis aqui é muito mais fraco do que o meu anterior. Tênis para handebol tem uma preocupação muito grande com o torce o que acaba tirando um pouco de estabilidade na ponta do pé. Você fica pouco na ponta do pé no handebol e no de vôlei é mais importante ele ser maleável.

E qual a sua relação específica com esse Asics?

Esse Asics eu comprei depois que eu dei para um amigo o meu Adidas Stabil, porque o Asics dele ficou sem sola e o meu Olympikus Tube Prime também já estava impossível – e ele foi o melhor tênis de vôlei que já tive na vida. Mas aí os Olympikus começaram a não ficar tão bons e eu comprei esse Asics porque precisava de um tênis para jogar e treinar na faculdade. Ele me acompanhou nesses 4 anos, nos treinos, jogo de final de semana, Inter, agora eu uso ele na academia porque parei de jogar.

Você tem uma ou mais histórias específicas com ele?

Eu tenho várias histórias com ele. Teve uma época que eu parei de jogar porque eu estava fodido no trabalho e o time estava precisando de meio, que era a minha posição. Fui treinar com o tênis e percebi que ele estava muito liso, escorregando demais, então tive a brilhante ideia de: pegar o tênis, esquentar uma faca no fogão e dar uma serradinha para formar umas ranhuras na sola para o tênis ficar com um pouco mais de aderência. Não deu certo, continuava escorregando com ele e inclusive quase cai no ônibus vindo pra cá ver vocês (risos). Foi uma solução inteligente da minha parte que não deu muito certo, mas agora eu tenho um tênis estileira, que tem essas ranhuras artesanais, handmade.

Inclusive a minha avó costurou esse tênis. Eu tenho um problema muito grave de dedos inquietos. Isso faz com que o meu dedão fure os meus tênis, tenho vários que estão assim. Quando vi que esse estava furando, pedi para a minha amada avó concerta-lo e ela costurou a ponta do meu dedo do pé direito.

Uma história boa que vivi com o tênis mas ele não é protagonista, foi no Juca (Jogos Universitários de Comunicação e Artes) de 2015. Quando eu voltei para o time porque estavam precisando e eu estava brigando por uma vaga de titular no Inter que é o principal campeonato que a gente tem no semestre.

Estava com sangue nos olhos brigando por essa vaga, indo em todos os treinos, loucão. Até que teve um treino de bloqueio que só eu da minha posição fui treinar. E treino de bloqueio é muito pesado pra quem é meio porque tem que ficar bloqueando o meio, as pontas e bloquear na saída da rede. Esse treino foi bem tenso para mim e logo em seguida fiquei muito doente já pensando que tinha me fodido, sendo que isso era duas semanas antes de ir para o Inter. Peguei uma infecção que era suspeita de dengue, com as costas tão inflamada que tive que tomar anti-inflamatório na veia, tive que deixar de treinar, foi foda. Mesmo assim fui pro Juca e fiquei na reserva, porque né, fiquei sem treinar durante duas semanas e eu não estava bem de saúde.

Durante o Inter eu fui entrando nos jogos e tal porque os jogos estavam bem ok. Só que na final, o cara que pegou a minha vaga, meu amigo Cidão, não estava jogando tão bem. Então meu treinador me chamou e disse “você vai jogar porque o Cidão não está bem”. Nessa hora pensei “Caralho, é isso velho! Eu treinei, me fudi o semestre inteiro mas pelo menos vai rolar, pelo menos essa final eu vou jogar”. Eu entrei um pouco perdido, apanhei um pouco nos três primeiros pontos, mas depois eu consegui me achar e fazer alguns bloqueios.

A gente acabou perdendo esse jogo, mas foi o mais dahora da minha vida porque o nosso time era super desacreditado. Pessoal achava que a gente nunca ia chegar em lugar nenhum, e a gente chegou lá dando trabalho para os caras. Eu tenho essa medalha no coração, minha grande conquista no voleibol.

Asics Rocket Gel 5
Dono:@thiagoacj
Comprado: 2013
Tamanho: BR41/US9.5