No dia 26.07.2017, a Öus junto com a Whatafuck Hamburgueria, lançam o Ueno Whatafuck. Tênis feito em homenagem a cerveja F#%*ING BEER, a American Pale Ale original do WhataFuck. O solado foi feito de forma inédita, utilizando o bagaço do malte pilsen, reaproveitada após a sua fervura para tingi-lo. E para o lançamento, a equipe do Kickstory passou em Curitiba para saber mais sobre o processo do tênis, a história da hamburgueria e bater um papo com Daniel Mocellin, um dos criadores do negócio.
FOTOS POR KICKSTORY (VITOR MANDUCHI)

“Me chamo Daniel e sou curitibano. Tenho 28 anos, jornalista e um cara que adora o movimento de rua rolando aqui em Curitiba. Antes de criar o Whatafuck junto com o meu sócio, eu já frequentava a avenida Vicente Machado, e as ruas Trajano Reis e São Francisco, que são outros polos de rolê de rua da cidade. Sempre colava, sempre estava lá. Acho muito divertido e maneiro essa questão de liberdade, de você não ficar preso em um lugar só, você vai embora na hora que quiser, não precisa ficar na fila pra pagar a conta e já não paga pra entrar. Eu sempre estava na rua e aqui na Vicente, na época, só tinha um estabelecimento nesse estilo bombando. Foi ai que tive a idéia de trazer o hambúrguer pra rua.

Então convidei o meu sócio, na época eu atendia ele, eu trabalhava com comunicação para restaurantes – fazia toda a parte de branding e mídia. Trouxe ele pra cá um dia e contei todo esse movimento de rua que tava rolando, e ele pirou na idéia. Mais ou menos uns 6 ou 7 meses depois a gente tava inaugurando o Whatafuck. Acho que a nossa grande percepção foi parar para atender uma demanda das pessoas, eu como jornalista ou como comunicador jamais imaginaria que iria virar dono de lanchonete, também envolvido na cena da cerveja artesanal, fazendo uma cerveja própria, vendendo chopp e hambúrguer a rodo e ajudando a movimentar a cena de rua. Acho isso muito louco.

Pra falar alguma coisa a meu favor, sou muito determinado, não sou mais inteligente, melhor ou pior que ninguém, mas talvez eu seja mais determinado que os outros. Tanto que não me acomodei com o crescimento do Whatafuck, abrimos mais um estabelecimento de batata, mais um Whatafuck e a Whatastore. A proposta da loja foi bem inspirada na Void – simplesmente porque começamos a fazer boné e camiseta da Whatafuck como uniforme, o pessoal gostou e começou a pedir pra gente, então decidimos fazer uma loja mais conceito com algumas marcas parceiras. Foi assim que conhecemos a Öus, um amigão meu me apresentou para o Rafael Narciso, um cara super pra frente, já era cliente do Whatafuck e achou a idéia da loja muito irada.

Estamos impulsionando muito a nossa marca, vamos começar a fazer vendas online ainda esse ano. Estamos fazendo também uma coleção nova com mais conceito e design, e focando também em fazer peças sem gênero. Enfim, tamo aí. Temos um plano de crescimento para São Paulo e Rio de Janeiro nos próximos 12 meses também.”

Daniel, qual a sua relação com tênis no geral?

Pra mim tênis é sem dúvida o acessório mais incrível que a pessoa pode estar usando. Tênis é foda, é tipo cerveja, entendeu? Tem vários maltes, lúpulos, diferentes temperaturas de fermentação, de tempo, maturação e tudo mais. Então fazendo uma analogia bem rápida, cada cerveja é uma história – um cara pode ter começado a fazer cerveja na panela da casa dele e conseguiu abrir uma cervejaria e está vendendo a rodo, tem histórias muito loucas como essas. Então acho que tênis é mais ou menos a mesma coisa – cada modelo tem um propósito, tem um conceito, um material, durabilidade, cada coisa tem uma proposta. Acho que tênis diz muito sobre a pessoa também, no meu ponto de vista na verdade é a coisa que mais diz.

E qual a sua relação específica com esse tênis?

Ele é com certeza o projeto de branding mais importante e notável que o Whatafuck tem até o momento. Apesar da nossa marca estar explodindo aqui em Curitiba – somos o número um no FourSquare e termos vendido mais de 320 mil sanduíches desde que inauguramos. Ter um tênis com a Öus é uma coisa incrível, é uma questão de visibilidade nacional com esse nossos planos de crescimento da empresa. Para a Öus também porque atualmente nós somos a marca com mais força no público jovem e universitário e para eles isso é interessante também, eles se aproximam desse público.

Esse modelo em específico é muito querido para mim porque ele é totalmente relacionado a cerveja, ela é o grande ponto de virada da minha vida. Eu amo cerveja, não é exagero falar, tomo cerveja todos os dias de segunda a segunda, tenho vários amigos cervejeiros, sou uma das principais pessoas influenciadoras da cultura da cerveja artesanal da cidade, botei muita cerveja artesanal pra galera tomar. Muitos outros jovens inspirados no modelo de negócio do Whatafuck abriram suas lojas de rua e botaram cerveja artesanal pra vender, me vejo como uma pessoa muito responsável pela cultura.

Então ter um tênis da Whatafuck com a Öus que também é de Curitiba, que conhecem a firma aqui, e fazer um tênis com o malte da cerveja é o mesmo que fazer a nossa cerveja lá na Öus também. O malte de todos esses tênis que vão sair nessa primeira leva, eu que peguei na fábrica, sequei, entreguei na Öus e etc. É tudo bem manual, passava tardes inteiras fazendo isso. Então é tudo muito louco, toda vez que ver esse tênis no pé de uma pessoa vou pensar “caralho, eu que sequei esse malte aí”.

Öus Ueno Whatafuck Imperial
Feito em 2017
Dono: Daniel Mocellin