Mercurials_Futliga-02
Nós fomos até o estúdio da Futliga conversar com o Bacalhau e a Gabi, que amam um tipo específico de tênis: as chuteiras. A FutLiga é uma liga de futebol amador. Seu canal do YouTube é focado em falar do esporte e de chuteiras, uma paixão de muitos brasileiros. É aí que o Bacalhau e a Gabi entram. Eles são apresentadores do canal FutLiga. O Bacalhau fundou o canal junto com seu irmão, Fabio, e a Gabi chegou para completar o time.
FOTOS POR PÉROLA DUTRA

“Eu sou o Felipe e meu sobrenome não é Bacalhau, é só um apelido mesmo (risos). A gente tem um canal no YouTube, o Futliga, que é sobre futebol amador e dentro do futebol amador a falamos bastante também de chuteiras. Eu sempre fui um apaixonado e loucão por chuteira, ninguém entendia isso de mim, e hoje eu sou super feliz de representar esse nicho e estilo de vida de pessoas que gostam desse mesmo assunto. Esse sou eu.”

“Eu sou a Gabi Martins, eu comecei na Futliga faz pouco tempo ao convite dos irmãos. Eu curto muito futebol, isso desde quando eu era pequena, e eu nunca imaginei que futebol poderia se tornar muito mais do que um hobby. Eu gosto tanto de jogar como de assistir, mas eu nunca imaginei que eu poderia um dia trabalhar com isso, dedicar meu tempo para isso. Eu venho aprendendo bastante.”

Pra começar, o que é a Futliga?

BACALHAU: A Futliga existe há mais de 10 anos e é uma liga de futebol online. Então por exemplo, você tem seu time, você se cadastra lá no site, escolhe a opção se é mandante ou visitante (se você tiver uma quadra joga como mandante, se não você é visitante). No começo eu e meu irmão criamos nosso time e ficamos jogando lá no Futliga como visitante. A gente ia visitar vários times tipo no Capão Redondo, na Cohab, em vários lugares bem legais e meu irmão teve a idéia de começar a filmar tudo isso. Ele fazia uns vídeos e publicava no Facebook do nosso time, um monte de gente começou assistir e foi ficando bem legal. A Liga dura o ano inteiro né, aí no final do ano os primeiros 16 mandantes e os 16 primeiros visitantes se classificam e jogam a copa até um deles ser campeão.

No final da copa o dono da Futliga entrou em contato com a gente falando que gostava bastante dos vídeos e deram a ideia da gente fazer esses vídeos para eles. Começamos publicando no Facebook deles e depois criamos o projeto para ir para o YouTube. Para o Youtube, a primeira coisa que pensamos é que precisaríamos de um personagem, eu dei a ideia de entrevistar umas pessoas e tal mas eles falaram “não, a gente quer você”. Aí eu falei “sai fora, eu não faço isso” (risos), eu nunca tinha ido na frente das câmeras, eu tinha muita vergonha, mas final eu acabei aceitando.

GABI: Eu conheço ele a uma cota, faz 12 anos que ele namora minha irmã, e aí quando eu descobri que ele fazia vídeo no YouTube eu não conseguia acreditar (risos).

BACALHAU: Eu não contava isso para ninguém (risos). Mas enfim, hoje a Futliga ta separada em duas coisas – tem o lado da liga e o lado do canal – e ai virou isso.

Gabi, quando você entrou no canal?

GABI: Foi em dezembro de 2018. A gente bolou uma estratégia de como me introduzir no canal, porque o Fe (Bacalhau) e o Fábio já tinham a imagem deles, não dá para você colocar uma pessoa do nada. Aí criamos os desafios e foi uma forma bem legal de me apresentar.

BACALHAU: A ideia é colocar a Gabi nos vídeos cada vez mais. Hoje em dia ela aparece bem menos que eu por quê eu tô todos os dias aqui, a Gabi tem o trabalho dela, ela grava quando dá. Mas a ideia é ela aparecer tanto quanto eu.

E como é criar conteúdo de futebol no Brasil? Porque é um tema muito concorrido né.

BACALHAU: No Brasil teoricamente é fácil porque todo mundo consome futebol, só que é difícil por ter muita concorrência. Todo mundo gosta de futebol então todo mundo quer falar sobre isso. Desde o início a gente escolheu de não falar sobre futebol profissional porque já tem muitos canais sobre isso, a gente queria mesmo era falar de futebol amador. É importante você focar em um nicho só, porque se atirar para todos os lados você vira uma coisa sem identidade.

Hoje em dia vocês tem um bom relacionamento com a Nike. Qual foi o primeiro projeto grande que fizeram juntos?

BACALHAU: Foi para o lançamento da Phantom. Um dia que me ligaram pedindo para a gente ir lá na Nike pois queriam conversar com a gente. Quando chegamos lá eles nos convidaram para fazer uma campanha e obviamente a gente aceitou. O conceito da campanha era “sociedade secreta” – eles me mandaram um convite com um celular, eles iam me ligar e passar uma mensagem, mas eu já sabia de tudo né (risos), a mensagem te convidava para o evento. Foi em uma casa super legal, o Philippe Coutinho tava lá. E aí a gente e mais 3 canais, tivemos a missão de formar um time com convidados nossos, rolou uma competição com todos os times e o meu time acabou sendo o campeão! Foi uma experiência muito legal. 

TODO MUNDO ME ACHAVA LOUCO, ELES NÃO ENTENDIAM POR QUE EU GASTAVA DINHEIRO E TEMPO DA MINHA VIDA COM CHUTEIRAS. E AÍ QUANDO A GENTE CRIOU O FUTLIGA EU DEMOREI PARA ENTRAR NO TEMA CHUTEIRAS, EU SEMPRE TIVE NA CABEÇA QUE SÓ EU GOSTAVA DESSE ASSUNTO.

E como foi o processo de inserir o tema de chuteiras no canal do Futliga?

BACALHAU: Eu sempre joguei e fui muito apaixonado por futebol. E as chuteiras que eu tinha eram sempre amigos do meu irmão que eles não usavam mais, até que um dia meu pai quis comprar uma chuteira para mim e para o meu irmão. Eu cheguei na loja e vi que tinha muito mais opção que eu poderia imaginar! O vendedor da loja ficava me explicando a diferença entre elas e eu pirei, foi um novo mundo, abriu a minha cabeça. Eu fiquei tão impressionado com a quantidade de opção que eu não consegui decidir, aí meu irmão que escolheu pra mim “pega essa aqui que combina com você”. Era uma Nike Total 90.

Depois desse dia tudo mudou, eu via comercial, ficava pesquisando e lendo sobre as chuteiras, quando lançava uma eu fazia de tudo para pegar, eu enchia o saco do meu pai ou juntava a minha mesada pra comprar. Todo mundo me achava louco, eles não entendiam por que eu gastava dinheiro e tempo da minha vida com chuteiras. E aí quando a gente criou o Futliga eu demorei para entrar no tema chuteiras, eu sempre tive na cabeça que só eu gostava desse assunto. Achava que se eu fizesse um vídeo falando disso ninguém iria assistir.

Mas um dia eu fiz um e ele bombou! Foi aí que eu percebi que tinha público para isso e que outras pessoas gostavam também. Eu fui fazendo mais e foi dando super certo. Então hoje ter a oportunidade de ser um dos primeiros a ganhar uma chuteira é muito doido, ter a oportunidade de ir lá na marca, conversar com eles, saber dos lançamentos futuros – às vezes eles mostram até os protótipos! – e também de ter um relacionamento com a marca que eu sempre admirei. Isso é uma das coisas mais legais, isso é o que eu mais curto.

Outra coisa também, eles sempre falam para gente que números são importantes mas não é o principal, tem canais com bem mais números que a gente, só que o que eles consideram é que a gente consegue passar o conceito da campanha de um jeito que a Nike quer, e não alguém que mostre de qualquer jeito. Então isso é uma das nossas vantagens. A gente fala com as pessoas do jeito que estamos falando com vocês agora, não é nada decorado, sabe?

Você curte bastante chuteiras também, Gabi?

GABI: Eu gosto mas não no nível que ele (risos). Para falar a verdade eu também não tinha noção que o mundo de chuteiras era tão grande, agora que eu tô aprendendo. Mas é muito legal saber mais sobre e ver que cada chuteira é para um tipo de jogador. Eu comecei a reparar muito mais, hoje em dia eu me pego vendo o que os jogadores estão usando no campo (risos). Antes eu gostava, óbvio, mas hoje eu me interesso muito mais. 

UMA COISA ENGRAÇADA FOI QUE A GENTE FEZ UM VIDEO COM A RAQUEL COM UM DESAFIO, EU USEI ESSA CHUTEIRA NO VÍDEO E DEPOIS EU POSTEI UMA FOTO COM A BOLA E A CHUTEIRA NOS STORIES. E AÍ APARECEU VÁRIOS COMENTÁRIOS TIPO “NOSSA, PELO AMOR DE DEUS GABI, PEDE PARA NIKE TE MANDAR UMA CHUTEIRA NOVA”, “CARAMBA GABI, QUE CHUTEIRA VELHA”. QUE ISSO GENTE, ELA É MEU XODOZINHO, VOCÊS NÃO PODEM FALAR ASSIM DELA (RISOS).

Porque vocês escolheram essas chuteiras Nike Mercurial para o Kickstory?

GABI: Quando eu era menor eu ia sempre para a escola com meu uniforme e uma chuteira no pé, as pessoas achavam bizarro por eu ser menina. E é uma coisa que eu sempre gostei, às vezes eu ia com ela sem jogar, era só para desfilar mesmo (risos). Mas eu escolhi essa aqui porque foi a chuteira que eu usei para jogar nos Estados Unidos em 2012. Eu morei lá por um ano e eu só jogava e treinava com ela. Então eu escolhi essa Mercurial por isso.

Uma coisa engraçada foi que a gente fez um video com a Raquel com um desafio, eu usei essa chuteira no vídeo e depois eu postei uma foto com a bola e a chuteira nos stories. E aí apareceu vários comentários tipo “nossa, pelo amor de Deus Gabi, pede para Nike te mandar uma chuteira nova”, “caramba Gabi, que chuteira velha”. Que isso gente, ela é meu xodozinho, vocês não podem falar assim dela (risos).

BACALHAU: Já a minha foi diferente. Cada chuteira que já tive na vida tem uma história, e tem chuteiras que você se apega mais por que você passou um momento legal na sua vida com ela. Teve as minhas primeiras chuteiras que eu fui campeão da escola, ou a chuteira que me machucou e eu parei de usar, enfim. E aí tem essa aqui, que é a chuteira que eu ganhei de surpresa. Ela foi customizada pelo TND Sneakers, eu achava eles muito bons e eu sempre comentava isso para o meu irmão, mas eu pensava que eles só faziam custom para os famosos e que era impossível de chegar neles. Mas aí o meu irmão conseguiu o contato deles.

Ele sabe que eu sempre fui muito fã de Pokémon, representa a minha infância, e ele pediu para o pessoal da TND customizar com esse tema! Eu curti muito, a gente fez um vídeo no canal mostrando tudo isso. Eu gosto tanto que eu nunca coloquei elas no pé, eu tenho medo que elas descasquem ou sei lá (risos). 

Se você pudesse ter qualquer chuteira do mundo, qual você escolheria? GABI: Um ícone muito grande que eu tenho na cabeça são as chuteiras pretas, elas são muito históricas. Você via os jogadores usando na época de 70, o Brasil nem era tri ainda, não tinha nem de perto essa tecnologia que tem hoje, mas é muito icônico sabe?  Não sei se é a chuteira que eu escolheria para minha vida, mas é algo que tem muita história. Eu tenho essa paixão por chuteira preta. BACALHAU: Eu escolheria a primeira Mercurial de todas porque para mim, é a mais lendária. Tem uma foto muito famosa do Ronaldo – quem gosta de chuteira sabe que essa foto é a mais lendária de todas – que ele pendurou as chuteiras no pescoço quando foi campeão da Copa. Ela foi a primeira Mercurial feita para o Ronaldo usar na Copa, feita para um brasileiro e ainda a gente ganhou a Copa. Eu escolheria essa chuteira por tudo que ela significa para todos os brasileiros.

Nike Mercurial Vapor Superfly III e Nike Mercurial Superfly VI Academy Futsal
Ganhadas: 2012 e 2018
Donos: Gabi e Bacalhau
📸 Pérola Dutra