Tiago é um português que se mudou para Barcelona somente para um programa de intercâmbio de 3 meses, mas que no final já vive por lá a 7 anos. Tiago estudava fotografía, chegando a cobrir muitos eventos de esportes aquáticos. Hoje é o responsável técnico por toda a estrutura das fotos dos turistas dentro do estádio do Barcelona, o Camp Nou. Tiago nos contou suas histórias com um tênis que com certeza é o Grail de muita gente, um Mars Yard x Tom Sachs.
FOTOS POR VITOR MANDUCHI
Nike-Craft-Mars-Yard-Kicstory-01

“Meu nome é Tiago Reis e vou fazer 31 anos. Moro à 7 anos em Barcelona, vim para cá estudar fotografia por 3 meses e acabei estendendo por mais alguns anos (risos). Antes de vir para cá, estudei informática e comunicação multimídia em Portugal. Por lá fazia fotografia também, muita coisa de natação, nado sincronizado, polo aquático e etc.


Vim para Barcelona fazer Erasmus por 3 meses, ajudar em um coletivo de fotos. Depois disso eu arranjei um trabalho que eu não gostava, trabalhava de noite e enquanto isso comecei a estudar sobre fotografia documental. A esta altura eu ainda não comprava sapatilhas, eu gostava, mas não tinha dinheiro. Agora estou em um emprego bem melhor, comecei a ganhar mais e assim, comprar mais sapatilhas.” 

Para você, como é o universo sneaker e streetwear em Portugal?


Quando eu morava em Portugal, estava totalmente fora no que diz sobre moda e sneakers. Eu estudei em Vila Real, uma cidade que fica a uma hora e meia de Porto, muito pequena, quase uma vila e lá não tinha quase nada. Mas um amigo meu abriu uma loja de sneakers e foi aí que comecei a comprar os meus primeiros Air Forces, eu tinha 12 anos.


Lembro que a primeira sapatilha mais diferente que comprei na época foi o Nike Shox, quando fui visitar minha família no Canadá, em 2000. Fui a primeira pessoa em Rio Tinto, onde eu morava, a ter Nike Shox. Dois ou três meses depois que comprei, todas as pessoas do bairro, da escola, estavam usando ele. 

E aqui na Espanha? Quais as semelhanças e diferenças?


Quando eu vim pra Barcelona, no primeiro ano eu estava muito ligado na fotografia, estava um bocado fora do mundo dos sneakers. Mas depois tudo mudou quando eu comecei a trabalhar e aparecer os primeiros Yeezys Turtle Dove. Estava um rapaz da Dinamarca por aqui que eu vi no Instagram, e que estava a fazer fila na 24 Kilates. Pensei “eu vou também”, isso lá pelas 4h da manhã e consegui comprar um par! No lançamento das Turtle Dove, teve gente que comprou pares na tarde do outro dia, ainda não havia o hype. Mas hoje em compensação, se você quiser um, tem que ir pra fila uma semana antes.

Então pelo que vejo, Portugal está um pouco melhor, ainda tem sérios problemas com fakes, há Supreme Spain, com as pessoas da televisão usando Supreme e Louis Vuitton falsos – agora eu não sei se é porque eles não sabem e compram porque sim, ou se compram e sabem que é falso, mas não estão nem aí. Tem umas lojas importantes que estão abrindo em Portugal, mas mesmo assim, não chega nem perto de Barcelona.

Portugal tem outro problema também é que as pessoas falam muito mas não compram. É um bocado como aqui em Barcelona, as pessoas reclamam que não tem eventos como em Londres, Amsterdam, e etc. Mas quando tem evento aqui ninguém compra nada, ninguém quer gastar dinheiro. Aqui houve a um evento do Loversneakers, eu abri uma mini banca com os meus amigos, cada um levou os seus pares e vendemos mais sangrias do que sapatilhas – levamos uma jarra de sangria para vender (risos). No final, em dois dias eu vendi somente um par.

Então é isso, as pessoas falam muito, mas na verdade eles querem comprar para vender. Todo mundo fala que resell é uma merda, mas todo mundo faz isso. Se eu poder comprar uma sapatilha por €200 e vender por €600, porque não vou fazer isso? É um trabalho – comprei, vendi, compro outro par ou saio de férias. Para comprar sapatilhas você precisa ter dinheiro, para ter dinheiro eu vou vender sapatilhas. Não vou gastar o dinheiro do meu trabalho, ele serve para pagar meu carro, as contas da casa, a casa, uma viagem, comida, e etc. Se não houver resell não existe movimento. É chato quando você quer comprar sapatilhas e na hora da comprar não tem mais, é chato sim, mas é o que é.

Tirando marca e modelo – qual sua relação com tênis em geral?


Pergunta complicada, eu devia ter estudado (risos). Como eu disse, desde os meus 12 ou 13 anos eu gosto de sapatilhas. Lembro quando fui jogar futebol, tive que comprar chuteiras e desde essa época eu tinha que ter algo no pé que fosse mais do que um sapato preto. Se calhar sempre dei mais importância ao que eu calçava do que ao que eu vestia. Agora o porque eu gosto, não sei explicar, é o que está no meu interior.

Por exemplo, quando fui para o Canadá e comprei o Nike Shox, eu queria porque era diferente, eu nunca tinha visto em Portugal. Aliás, naquela época o Euro tinha acabado de entrar no país e o Nike Shox custava uns €250, então eu vi e quis na hora! Percebi que gostava de tênis quando comprei ele, esse foi o momento que eu disse “isso é fixe!”. 

Você se considera um sneakerhead?


O que é um sneakerhead? (risos). Eu gosto de sneakers, então sou um sneakerhead. Se alguém vir na minha casa e ver os meus 60 pares, não vão falar que sou sneakerhead e sim doente. Eu gastei €10.000 em sapatilhas… Pra que? (risos) 

Qual sua relação específica com esse NIKECraft: Mars Yard x Tom Sachs?

Quando saiu o 1.0 do Tom Sachs eu não sabia nada sobre, descobri ele quando já estava aqui. Todo o conceito dele de programa espacial, NASA, tudo isso tem o seu encanto, não? Se calhar tenho sapatilhas que eu possa andar com elas na lua. Ele é o par que eu mais gosto, mas ao mesmo tempo o mais desconfortável que eu tenho (risos).

Você só podia comprar o 1.0 se você passasse por uma série de testes e enfim, isso tem um grande significado. Também por ter o tema de NASA, nave espacial – eu gosto muito do que é científico e do espaço, Star Wars e todas essas coisas (risos). Então depois que eu soube que sairia o Tom Sachs 2.0 fiquei muito feliz. A caixa é linda, toda escrita, vem com um livro do designer, a palmilha é escrita também. O Mars Yard é muito mais do que um simples Yeezy, sabe? É outro nível de concept.

NIKECraft: Mars Yard x Tom Sachs 2.0 
Comprado: 2017
Dono: @reis_ph
📸 @vmanduchi