FOTOS POR BRUNA HISSAE

“Meu nome é Asindayle Apangesy, tenho 23 anos, eu sou Relações Públicas, moro em São Bernardo mas circulo muito por São Paulo. Acho importante contextualizar de onde vem o meu nome, ele não é muito comum como perceberam (risos), ele é nigeriano do dialeto yorubá – Asin significa rainha e Ayle significa casa, Apangesy é o esplendor dessa rainha.

Eu amo a minha profissão, gosto muito do que faço, acho que tem muito a ver com o meu lifestyle do dia a dia, eu trabalho com comunicação desde 2011, já fazem 6 anos. Tenho vontade de trabalhar na área de Marketing também, quero me planejar para fazer uma pós-graduação desse assunto. Enquanto isso, procuro sempre estar dentro de tudo, de novidades, sou uma pessoa muito antenada, gosto de sempre me manter antenada nas coisas e saber o que está rolando, o que estão falando e qual é a próxima tendência.”

Asindayle, qual a sua relação com tênis no geral?

Eu sempre morei longe dos lugares em que frequentava, então eu sempre procurava me manter equipada – como se eu estivesse indo para uma aventura. Saio de São Bernardo, passo por diversos transportes públicos até chegar no local que quero ir, então eu preciso me manter confortável, tranquila e não me preocupar com a roupa ou o tênis que estou usando. Dificilmente você vê uma pessoa com esse lifestyle, usando salto.

Então além da estética do tênis, que eu gosto muito e acho muito bonito, tem muito a ver com o lance de ser confortável – isso me atrai, de eu estar despreocupada e não dores ou desconfortos por causa deles.

E qual a sua relação específica com esse Stan Smith?

Ele é um tênis clássico da Adidas e muito versátil – é o mais versátil de todos que tenho em casa, sempre que estou em dúvida sobre qual tênis usar, escolho o Stan Smith. Porque sei que com ele não vou ter problema nenhum, ele vai estar sempre combinando com as coisas que estou usando. Você consegue usar ele em ocasiões mais premiuns em ambientes sofisticados até em momentos mais descontraídos. É um tênis muito clean, confortável, eu consigo colocar ele em vários momentos da minha vida porque eu circulo por vários lugares.

Acho a história dele muito bacana também, é um tênis de um tenista muito famoso que tem uma relação muito boa com a Adidas. Esse modelo já existia com outro nome, e depois virou Stan Smith em homenagem a ele, ter um tênis com o seu rosto e o seu nome deve ser muito bacana né. Então esse modelo é uma história que a Adidas e ele contam que traz significado para o tênis. Ele era na época dos anos 80 e como ele voltou agora como uma peça de moda muito chave, você circula por vários lugares e você enxerga Stan Smith em vários deles.

A nossa geração mudou, a gente conseguiu inserir o tênis em momentos bem legais e que antes nunca entraria, conseguimos resgatar isso novamente. Agora você pode ir de tênis para qualquer lugar porque ele se reinventou, resgata história, momentos, trás coisas do passado para você escrever o futuro, então acho que é muito isso, uma relação de resgate – principalmente a Adidas né. Novamente, nos anos 80 o tênis foi um artigo muito icônico quando o Hip-Hop surgiu, e hoje a gente traz esse resgate e coloca como uma peça chave da roupa.

Você tem alguma história específica com ele?

Ele sempre me acompanhou em muitos lugares justamente pela sua versatilidade. Por exemplo eu fui para o Rio de Janeiro nas Olimpíadas e eu não podia levar muitas coisas, então eu usei ele todos os dias, e o boost também né, mas o Stan Smith eu usei nos momentos mais legais, como shows e festas, mas também no meu dia-a-dia, ele estava sempre comigo. Outro momento importante foi que ele esteve comigo na minha entrevista de emprego pra entrar na Press Pass.

O modelo Stan Smith foi o primeiro tênis da Adidas que eu comprei com o meu dinheiro e eu fiquei muito orgulhosa com isso pois eu consegui uma independência financeira, eu me organizei e comprei esse tênis.

E porque você escolheu a Paulista como local para o ensaio?

Eu sou uma pessoa que passa a maior parte do tempo trabalhando, então pelo meu dia-a-dia ser de uma cool hunter, de ser uma pesquisadora de tendências e etc, eu não tenho tempo de fazer isso – eu não estipulo na minha cabeça “agora vou trabalhar” porque se eu estiver passando na minha timeline do Instagram, eu já estou trabalhando. Por eu ser relações públicas eu estou me relacionando com pessoas o tempo inteiro, fazer essa entrevista com vocês está sendo um trabalho pra mim também porque eu estou me relacionando com vocês.

Então eu escolhi a Paulista porque eu trabalho perto dessa região e eu gosto muito dessa estética de prédios, centro comercial e loucura de cidade grande. É um espaço bom de convivência, você encontra uma pluralidade de lugares muito grande, você consegue viver e circular bem por aqui e no meu caso, eu preciso de um escape que é o momento que volto pra São Bernardo.

Eu sou fascinada por música, o tempo inteiro estou ouvindo alguma coisa, música me remeta a cidade, a cada momento que escuto um tipo de música eu consigo montar um cenário da minha cabeça e trazer alguma coisa nova. E aqui na Paulista tem muito disso. Aqui é o centro onde eu consigo ir, fazer as minhas coisas, me resolver, me relacionar, conhecer pessoas novas, trabalhar, vir com as amigas tomar uma cerveja e depois eu volto pra calmaria da minha cidade.

Adidas  Stan Smith
Dona: @asindayle
Comprado: 2015
? @bruna_hissae