FOTOS POR PEROLA DUTRA

“Sou Lucca Campolina, embaixador do Jameson Irish Whiskey no Brasil. Quando mais novo fui atleta, corri no IronMan, fiz 14 provas mas depois me machuquei. Trabalhei no Marketing da Red Bull por 2 anos e depois entrei no time de vendas da empresa que trabalho hoje – é uma holding de vários destilados, desde Absolute até Orloff, é tudo nosso. Agora faz 1 ano e meio que sou embaixador de Jameson, me reporto pro Global, o que faço é basicamente a mistura de sommelier com marketing.”

Como você se tornou embaixador da Jameson aqui no Brasil?

Eu estava morando fora e quando me machuquei voltei para o Brasil, logo quando cheguei a Red Bull me ofereceu um emprego. Não existe uma trajetória certa para virar embaixador, é bem esquisito, se você pegar o organograma da minha empresa não tem como tu virar um embaixador, você precisa estar no local certo, na hora certa, com as skills certas. Eu já tinha um know-how de marketing e vendas porque fiquei nessa área por 1 ano e 10 meses, assim a diretora de marketing me entrevistou em uma festa e me indicou para a vaga. Tive a sorte de estar no local certo, na hora certa, com o perfil certo para a marca certa. Se tivesse aberto a vaga de Chivas, por exemplo, eu nunca teria sido chamado, por ser um whisky muito mais tradicional.

O quanto a moda influencia sua vida?

Minha mãe é estilista então desde sempre fui ligado em moda. Em 2010 comecei a desenhar as minhas próprias roupas, desenhava umas blusas porque eu gostava das coisas longline, que é o que tá estourando hoje e naquela época não se achava nem pra comprar. Então aproveitei que minha mãe tinha um ateliê – eu desenhava e uma moça modelava, eu explicava mais ou menos como queria, até hoje tenho duas peças guardadas.

Assim que começou a minha ligação, hoje em dia eu uso muito a moda como realmente pesquisa de mercado para bebida alcoólica – parece que é diferente, mas não, hoje em dia você consegue pegar vários trends da galera, do tipo, o que o pessoal de moda está consumindo, o que a moda está virando, pra qual vertente ela está indo e isso relaciona diretamente a literalmente bens de consumo, tipo bebidas e alimentos. Então com um pouco de moda eu consigo linkar com o meu trabalho do dia-a-dia.

Você diria que a moda que dita todas as tendências?

Muito, e acho engraçado porque Moda e música caminham juntos. Hoje, a galera que dita moda são os rappers dos Estados Unidos, e eles também ditam o que você vai consumir de bebida alcoólica – você vê todos eles atualmente com conhaque na mão, daqui 8 ou 9 anos a galera vai estar consumindo isso também, sendo que eles estão consumindo hoje, em 2018. O que eles usam e estão bebendo, ditam muito pra onde vai o dinheiro. Você vê o Drake, Rihanna, Wiz Khalifa, todos eles consomem muito Jameson, então a nossa marca cresce muito por conta desses influencers, que a gente nem paga, eles consomem porque gostam da marca mesmo. Juntando moda, música e isso vira em bem de consumo.

Por que e desde quando você só usa roupas pretas?

Muitos anos atrás vi na internet uma palestra do Mark Zuckerberg, e ele usa a mesma roupa todos os dias. Ele comenta sobre isso nessa palestra e o que ele fala faz muito sentido – no momento que tu tem que tomar decisões no trabalho, o quanto menos decisões sem importância você tomar, é maior a chance das decisões importantes serem tomadas certas. Então tirar aquelas pequenas decisões, do tipo “hoje eu vou trabalhar de branco ou de preto?”, tu “guarda” uma decisão, ela fica no estoque para quando você tiver que tomar uma importante. Por isso que eu uso preto todos os dias – tenho o meu tênis daily e aí quando vou sair, tenho o tênis de saída, mas a minha roupa do dia a dia é sempre a mesma. Escolho um tênis, fico 3 meses usando ele direto e depois eu mudo, mas a roupa é sempre preta.

Hoje em dia o meu Vapor é o daily. Falo que, não é porque o tênis é mais raro que tu tem, que tu tem que deixar ele guardado na prateleira. Faço essa analogia com o Whiskey também, uma vez que ele está na garrafa, por mais caro que ele seja, ele só vai piorar – ele vai melhorar no barril, mas no vidro ele só piora. Então comprou, usa. É um tênis raro? Sim, mas é muito mais tesão você usar ele no dia a dia e realmente aproveitar. Sim, ele vai estragar mais rápido, óbvio, mas pelo menos você vai realmente aproveitar muito mais. Não precisa ficar usando o tênis zuado todos os dias, usa o mais legal porque você vai se sentir legal, sua auto-estima vai lá pra cima.

Qual sua relação com tênis em geral?

Acho que tênis é a principal peça que você está usando. Quando olho pra uma pessoa, é onde bato o olho primeiro. Isso acontece desde a época que eu usava Plasma, porque eu andava de skate, então eu olhava pro tênis e pensava “pô, ali tem muita personalidade”. A roupa nem sempre foi tu que comprou, mas o tênis 90% de chances que foi. Quando tu é criança, você teve alguma influência no tênis que tu tava usando, desde sempre. Você pode estar todo básico, mas se tu tiver com um tênis maneiro o look ta completo.

O que significa pra você essa coleção The Ten?

Acho que ela quebrou vários paradigmas de tênis, porque antes era composto por sola, cabedal, lace, quando vinha um extra lace já era algo diferente. Eles simplesmente pegaram tênis que já existem, nada foi criado, foi tudo reconstruído e o cara [Virgil Abloh] colocou uma tag, três cores de cadarços completamente diferentes, foi pro máximo, desconstruiu, descreveu no próprio tênis qual tipo de tecnologia que o tênis tem. A Nike sempre gostou muito de mostrar a tecnologia, já sabemos que tecnologia aparente vende mais, ele descreveu isso de uma maneira menos tecnológica que fica mais engraçado e cool ao mesmo tempo, isso me agrada muito. O Virgil é zero minimalista mas tem esse maximum que gosto muito, é no ponto certo – ele coloca tag laranja no tênis, mas não passa do ponto. E é icon, benchmark, daqui 10 anos a galera vai continuar respeitando esse tênis, a Off-White pode acabar, mas marcou época.

Você se considera um sneakerhead?

Não, mas a minha gerente do banco fala que sim (risos). De roupa eu não consumo quase nada, então minha única parte fashion é basicamente sneakers. Eu troco, compro e acúmulo sneaker em uma quantidade que pode ser considerado de sneakerhead.

Porque você escolheu esse Vapormax para fazer o ensaio?

O Vapor era um que eu nunca tinha achado pra comprar na gringa, até comprei ele aqui no Brasil e tirando o Presto, esse é o único preto – ele é o único full preto. Foi por toda essa minha ligação forte com preto que tenho há 5 anos, o fato de ser um tênis daily, que é todo preto mas que ainda sim chama a atenção e que tem 3 detalhes que faz todo mundo olhar. Somando meu lifestyle, com o The Ten, acho que ele pra mim era o 1º dos 10. Pode não ser o mais bonito ou mais raro, mas meu preferido pra daily.

E existe algum tênis dos seus sonhos?

Estou em negociação com alguns, mas o meu sonho hoje, que estou quase conseguindo pegar é o Jordan da Off-White. E o que já comprei mas ainda não peguei é o Triple S da Balenciaga, preto com creme e vermelho. A Vetement lançou uma pancada de tênis com a Reebok, que se eu tiver acesso eu vou querer tirar um, não tem como. Esse ano de 2018 vai ser o ano das collabs, tudo que tiver de collab eu vou valorizar 200 vezes mais do que não for.

A galera entendeu que colaboração é muito mais legal que individualismo – e colaborações de coisas diferentes. Um que lançou no ano passado, que eu não tenho o tênis, não combina comigo e eu nunca compraria, mas que eu respeito muito é o da collab da Gatorade com a Nike. É uma collab que tu nunca imaginava que ia acontecer, as marcas conversam entre si no mínimo a 40 anos, pelo meio do esporte e alguém teve a idéia de fazer um tênis juntos. E o verde e laranja do Gatorade são muito icônicos principalmente nos Estados Unidos, até por isso ficou sold out.

Collabs que forem além de um rapper, músico, artista plástico, vão me ganhar muito esse ano – tipo uma marca de bebida, comida, entrega. Tipo o que a DHL fez com a Vetement, o que a Ikea está fazendo agora. Esse tipo de coisa mexe mais comigo do que a marca só lançar um tênis.

Adidas Deerupt Pride
Dono: @luccacampolina
Comprado: 2017
? @peroladutra