“Sou a Julia, tenho 22 anos, estou fazendo jornalismo. Trabalhei com moda a vida inteira e fui pra área de cultura quando entrei no Estadão, fiquei apaixonada por essa área porque sou muito ligada em música, curto pra caralho – aliás esse é um dos motivos de eu ter esse tênis. Piro muito em surf, o que é uma coisa que ninguém imagina olhando pra mim (risos). É o esporte da minha vida – me motiva saber que na sexta-feira eu vou descer pra praia, cair na água. E sei lá, sou Áries com lua em ascendente em Leão.

Posso dizer que ninguém imagina que sou o que sou vendo como me visto, tipo mesmo usando tênis o dia inteiro e tal e sendo bem menininha, que às vezes eu sou bastante, ninguém imagina que eu sou isso, sabe. Principalmente porque eu trabalhei com moda e ao mesmo tempo andava de skate.”

Julia, qual a sua relação com tênis no geral?

Tênis é o que uso o dia inteiro e todos os dias, é muito difícil eu sair sem tênis. No começo eu usava muito porque era funcional, mas na época dos meus 13 anos que comecei a usar Converse, vi que era uma coisa que eu amo. No momento estou muito ligada em Vans, pela facilidade de ter morado fora e comprar com um bom preço.

Mas tênis é uma coisa que amo mesmo, só não amo mais porque não tenho dinheiro (risos). Eles são os únicos calçados que tenho que ficam expostos no meu quarto, o resto fica tudo no armário guardado.

Diz um pouco mais pra gente como você começou a gostar de tênis.

Eu estudava em uma escola que era muito “fechada” no sentido de que as meninas eram muito patricinhas, e eu era a única diferente – a única que ouvia Rock, que gostava de coisas diferentes, que não usava sapatilha e Havaianas pra ir à aula. Eu usava tênis. Foi uma escola que eu passei muitos problemas por ser diferente. Eu sofria bullying pra caralho.

Até que eu conheci minha melhor amiga pela internet, a Bárbara. Ela era muito igual a mim, e foi incrível porque ela gostava das mesmas coisas que eu. Eu tinha dois All Stars, e lembro que no aniversário dela tinha uma regra que você só podia ir de All Star. Aí lembro que eu precisava comprar um novo, e quando comprei o meu terceiro All Star diferente foi quando eu me apaixonei por tênis. Comecei a consumir muito, muito mesmo. Eu cheguei a ter uns 15 desse modelo. Eu aloprava demais neles, escrevia no tênis inteiro, que nem eminho sabe? Eu era super emo.

E qual a sua relação específica com esse Chuck Taylor?

Foi essa minha amiga Bárbara que comprou o All Star, ela gosta muito de The Who e eu conhecia um pouco. Mas lembro que quando ela comprou, pirei muito porque era a bandeira do Reino Unido e eu era muito fã de McFly. Queria muito esse tênis, daí um dia eu cheguei na cara dura perguntando: “Miga, vamos trocar nossos All Stars? Eu pego esse e você pega um Chuck Taylor azul meu?”. Ela topou, e aí eu nunca mais devolvi (risos). Porque, pra mim, além de ser um All Star diferente que não tem mais, é a bandeira do país da minha banda favorita. Esse All Star já passou por muito perrengue comigo, até porque eu tenho ele desde 2009.

Você tem alguma história específica com ele?

Cara, esse tênis passou por pelo menos uma história foda por ano, mas a que mais gosto é que conheci o McFly com ele. Foi com esse tênis que eu conheci a minha banda favorita e isso me marcou muito. Era o tênis que eu usava em show, então todas as bandas que eu conheci como All Time LowWe The KingsThe Maine, que foram mais ou menos 10 bandas, eu conheci com esse tênis.

Esse tênis é a minha vida. Eu não consigo lembrar de como era a minha vida sem, de verdade, a minha adolescência inteira estava com ele no pé.

Converse Chuck Taylor All Star Union Jack Flag
Dona:
@juribeirodelima
Comprado: 2009
Tamanho: BR37/US7.5